GNR Fans - Guns N' Roses Fan Site: Março 2015 GNR Fans - Guns N' Roses Fan Site: Março 2015

quarta-feira, 25 de março de 2015

Ex-empresário do Guns N' Roses diz que Michael Jackson foi motivo da separação da banda


Em entrevista à Rolling Stone Brasil, no entanto, um importante personagem da história do desmanche do quinteto norte-americano garantiu que pode colocar Axl Rose e Slash lado a lado novamente. O autoproclamado salvador da pátria é Doug Goldstein, empresário apontado pelo guitarrista como o pivô da separação do Guns N' Roses.

"...[ Goldstein ] estivera galgando os degraus estrategicamente. Era como um predador numa emboscada. Embora ninguém tenha sido mais responsável pela dissolução do Guns do que o próprio Guns, Doug Goldstein foi um catalisador. Suas técnicas para dividir e conquistar foram um instrumento para a chegada do nosso fim”, escreveu Slash em livro homônimo de 2007, publicado no Brasil pela Editora Ediouro.

Ainda segundo o artista, Goldstein se aproximou de Axl Rose para substituir o ex-agente do grupo, Alan Niven, e sempre foi “permissivo” com o bandleader, que poderia fazer o que bem entendesse. Rose, inclusive, continuou sendo agenciado por Goldstein até 2002, quando teriam se separado por um novo entrevero.

Por telefone, o acusado negou tudo e se defendeu. “Adoraria encontrar Slash e esclarecer isso porque a verdade é que nós fomos por sete anos as pessoas que cuidaram dos negócios da banda. Eu dobrei o valor das comissões que eram pagas a eles. Amo Slash até a morte, é uma das minhas pessoas preferidas no mundo inteiro e por alguma razão ele está com essas ideias”, disse.

Um dos motivos da rejeição a ele seria o antecessor Niven, que teria chegado ao ponto de contratar um especialista em magia negra na cidade de Nova Orleans depois que foi dispensado do cargo.

"Todos os dias depois do trabalho ele ia para o quarto, colocava uma capa preta e praguejava contra Axl e eu. Eu estava no Havaí, levando minha vida e Neven surgiu, fez amizade de novo com Slash e Duff [McKagan, baixista original do Guns] e tomou crédito de tudo que eu fiz. Depois, Slash me disse que Niven tentou transar com a namorada dele”.

Goldstein também teria levado injustamente a culpa pelo contrato que o ex-membros do grupo assinaram passando o nome Guns N’ Roses para Axl Rose. “E naquele dia meu filho nasceu, a gente não estava nem no mesmo continente, eles estavam em Barcelona e eu estava na Califórnia, eles me confundiram com o empresário da tour porque andavam bebendo bastante naquele tempo e não lembram”.

A despeito de tudo isso e de uma suposta ideia de Rose de acrescentar um terceiro guitarrista, nada teria sido mais importante para a separação da parceria musical do que um fator que, afirma o agente, passou desapercebido pelo público: uma parceria com Michael Jackson.

"Em 1991, estávamos na estrada, Slash foi até minha sala e disse, ‘estou partindo amanhã para tocar com Michael Jackson em um show tributo'. Disse para ele não fazer isso porque Axl foi molestado pelo pai quando tinha dois anos e acreditava nas acusações contra Michael Jackson. Todo mundo sabia que Eddie Van Halen recebeu US$ 1 milhão pela participação em “Beat It”. Então, perguntei ao Slash, ‘quanto você vai receber, posso negociar isso para você?’ e ele disse, ‘eu só vou receber uma televisão de tela grande”.

"Quando Axl descobriu que ele ia tocar com Michael Jackson e que o pagamento era um TV de tela grande, ficou arrasado. Ele achou que Slash iria apoiá-lo e ficaria contra todo o abuso. Do ponto de vista do Axl, esse era o único problema. Ele poderia ignorar as drogas e o álcool (com os quais o guitarrista teve sérios problemas), mas nunca poderia ignorar o abuso infantil". Slash gravou participações em várias músicas do Rei do Pop, entre elas, "Black or White".

Bastaria, portanto, algumas palavras para juntar o velho Guns. “Slash teria que se desculpar pelo episódio com Michael Jackson. E realmente acredito que pelo tanto que amo a banda eu seria o empresário que os reuniria de novo, não acho que alguém mais poderia fazer isso”.

Determinado a refundar o ícone do final do século XX, o empresário fez até um pedido à reportagem. “Sou um cara muito amoroso, espiritual e me magoa que ao invés de me perguntar como eu sinto e perguntar sobre essas coisas que Niven criou, Slash simplesmente acredite que elas são verdadeiras e me jogue para os leões. Amo Slash como um irmão, ele é o irmão mais novo que eu não tive, faria tudo por ele. Faça um favor, diga que espero muito sentar com ele aonde ele quiser para contar meu lado da história”.


Fonte: Rollingstone

segunda-feira, 23 de março de 2015

Slash São Paulo 2015 - Setlist, Fotos e Vídeos

Slash em São Paulo - Foto: Marcel Jabbour

Slash encerrou em São Paulo no Espaço das Américas, neste domingo (22), a série de seis apresentações da turnê brasileira. O guitarrista, acompanhado de Myles Kennedy & The Conspirators, iniciou a Tour no Rio De Janeiro (14 de março) e depois seguiu para Belo Horizonte, Brasília, Curitiba e Porto Alegre. Os shows foram para divulgar o seu mais recente disco "World On Fire". Confira abaixo o setlist, fotos e vídeos:

domingo, 22 de março de 2015

Slash Curitiba 2015 - Setlist, Fotos e Vídeos

Slash Curitiba Master Hall / Foto: Marcos Mancinni

Slash, juntamente com Myles Kennedy The Conspirators, se apresentou nesta quinta-feira (19) em Curitiba, no Curitiba Master Hall. Confira abaixo o setlist, Fotos e Vídeos do show:

sábado, 21 de março de 2015

Slash Porto Alegre 2015 - Setlist, Fotos e Vídeos

Myles Kennedy e Slash em Porto Alegre (20/03) - Foto Júlio Cordeiro / Agencia RBS

Slash fez em Porto Alegre o penúltimo show da turnê "World on Fire" no Brasil. O guitarrista tocou nesta sexta-feira (20) no Pepsi On Stage acompanhado da banda Myles Kennedy & The Conspirators. O músico segue para São Paulo onde encerra a turnê no domingo (22 de março). Confira abaixo o setlist, fotos e vídeos:

quarta-feira, 18 de março de 2015

Guns N' Roses: Novo lançamento traz shows ao vivo de 1988 e 1992


Um CD duplo trazendo duas apresentações do Guns N’ Roses será lançado no final do próximo mês. Intitulado “Live Radio Broadcasts” o álbum, cuja legitimidade é questionada, já que a banda não se manifestou oficialmente, traz a gravação de dois shows famosos via bootlegs: o disco 1 tem o show de 2 de fevereiro de 1988 no Ritz de Nova Iorque, enquanto o outro traz a apresentação de 9 de abril de 1992 no Rosemont Horizon de Chicago.

Veja abaixo o tracklist do CD:

Disc One

“Down on the Farm”
“Free Fallin’”
“It’s So Easy”
“Mr. Brownstone”
“Out Ta Get Me”
“Sweet Child O’ Mine”
“My Michelle”
“Knockin’ on Heaven’s Door”
“Welcome to the Jungle”
“Night Train”
“Paradise City”
“Mama Kin”
“Rocket Queen”
“Patience”

Disc Two

“Welcome to the Jungle”
“Civil War”
“Night Train”
“Mr. Brownstone”
“Live and Let Die”
“It’s So Easy”
“Wild Horses”
‘Patience”
“Double Talkin’ Jive”
“November Rain”
“You Could Be Mine”
“The Godfather Theme”
“Welcome to the Jungle” (bonus track)
“Civil War”(bonus track)

Nota: Ainda não foi divulgado informações sobre o selo ou detalhes do disco. Note que algumas canções não são condizentes com os shows mencionados.


Fonte:gunsnrosesbrasil

Slash Brasília 2015 - Setlist, Fotos e Vídeos


Slash se apresentou nesta terça-feira (17) em Brasília no NET Live Brasília. O show é o terceiro da turnê brasileira que já passou pelo Rio De Janeiro (14) e Belo Horizonte (15), e depois segue para Curitiba (19/3), Porto Alegre (20/3) e São Paulo (22/3).

O guitarrista vem ao país acompanhado da banda Myles Kennedy & The Conspirators, para divulgar o seu mais recente trabalho "World on Fire". Confira abaixo o setlist, fotos e vídeos:

terça-feira, 17 de março de 2015

Duff McKagan e Izzy Stradlin gravam música juntos


Durante uma entrevista no dia 07 de março ao Vorterix, na Argentina, Duff Mckagan foi perguntado sobre um recente tweet, que dizia que passou a primeira parte de seu aniversário com Izzy Stradlin no estúdio:

"Izzy e eu gravamos uma música nesse dia", revelou Duff. "Nós estávamos falando ao telefone e Izzy disse: 'Vamos gravar uma música', e nós usamos o estúdio de Josh Homme do Queens Of The Stone Age, ele estava disponível. Então fomos lá, Izzy, eu e Taz [Bentley, ex-baterista do Reverend Horton Heat] - e foi muito divertido. Nós gravamos uma música. Eu estou com ela. Acabou a mixagem. É uma música muito boa, e nós nos divertimos muito, e provavelmente vamos fazer mais algumas."

Ele continua: "Nós sempre fizemos esse tipo de coisas, mas era normalmente nos seus discos. Havia essa oportunidade, eu tinha um riff e ele tinha uma ideia, e nós gravamos tudo em meio dia."

Quando perguntado se podemos esperar ouvir essa música no próximo álbum, Duff respondeu: "Talvez. Nós vamos talvez gravar mais uma. Mas nós gostamos de fazer músicas juntos e gostamos de nossa companhia. Nós podemos fazer isso."



Fonte: whiplash

segunda-feira, 16 de março de 2015

Slash estampa a capa da edição de março da Rolling Stone Brasil


A edição de março da Rolling Stone Brasil apresenta na capa o guitarrista Slash, que neste mês faz diversos shows pelo país. Em entrevista exclusiva, o músico fala sobre toda a carreira, desde o apogeu com o Guns N’ Roses até os dias atuais, tocando na companhia da banda The Conspirators. Dono de uma personalidade tranquila, Slash conta que não apreciou os anos em que sua antiga banda estava no auge do sucesso. “Quando o Guns se tornou grande de verdade, só comecei a usar muita droga e a me esconder. Eu detestava aquilo”, revela.

Além da entrevista, a revista conta ainda com um panorama da carreira solo de Slash (que pode ser lido na íntegra, abaixo) e uma pensata sobre os 30 anos do Guns N’ Roses, completados neste mês.

Na mesma edição há uma reportagem especial sobre a crise hídrica em São Paulo, com as previsões de especialistas sobre o que ocorrerá com a cidade caso o pior cenário venha a se concretizar nos próximos anos. Há também uma entrevista com o ator e comediante Chris Rock, unanimidade no stand-up norte-americano, reportagem sobre os múltiplos projetos de Caio Blat, entrevista com o humorista Paulo Gustavo, perfil de Kid Vinil e um guia para aproveitar o melhor do festival Lollapalooza

Tradicionalmente, no mês de março, a Rolling Stone Brasil publica o Especial Mulher. Neste ano, o pacote tem uma entrevista com a Rainha do Pop, Madonna, que fala sobre seu novo disco e o preconceito contra a idade; as mulheres que estão mudando a cena do rap no Brasil; discografia Elis Regina e muito mais.

A edição 103 da Rolling Stone Brasil, março/2015, chega às bancas nesta terça, 17.



Caminho Próprio
Os trabalhos de Slash pós-Guns N' Roses revelam inventividade
Por Paulo Cavalcanti

É possível dizer que Axl Rose nunca precisou sair em carreira solo, porque manter um Guns N’ Roses com músicos assalariados é o sufi ciente para ele – afinal, ainda que não tenha o alcance vocal de antigamente, é na voz de Axl que o público reconhece as canções do grupo. Além disso, depois de todo o drama que foi a concepção, a gravação e o lançamento do disco Chinese Democracy (2008), o vocalista não se sentiu impelido a entrar em estúdio com a configuração do Guns que mantém na estrada. Já para Slash, não sendo cantor, é mais pungente a necessidade de criar material novo para não ter de depender de glórias passadas, como Axl insiste em fazer.

A jornada do guitarrista sem o Guns começou em 1994, quando ele ainda estava oficialmente na banda. Para combater a inatividade do grupo titular, ele formou o projeto paralelo Slash’s Snakepit, que tinha a participação de Matt Sorum e Gilby Clarke, outros insatisfeitos com o Guns. Em fevereiro de 1995, eles lançaram o álbum It’s Five O’Clock Somewhere, que continha basicamente canções de Slash rejeitadas por Axl – o vocalista achou que elas não serviam para entrar nos discos do Guns. It’s Five O’Clock... obteve uma vendagem respeitável e incentivou o guitarrista a seguir com seus projetos.

Em outubro de 1996, Slash saiu oficialmente do já moribundo Guns N’ Roses. Ele ainda gravou um segundo álbum com o Slash’s Snakepit, Ain’t Life Grand (2000), que não foi tão bem recebido quanto o primeiro. Não demorou muito: a banda acabou chegando ao fim.

Slash, no entanto, não permaneceu parado. A ânsia do músico por continuar compondo e permanecer nos palcos sempre foi maior que a força da inércia. E a empreitada seguinte integrada por ele causou bastante burburinho: o Velvet Revolver, um dos primeiros grandes supergrupos do milênio. Além de Slash, o Velvet tinha em sua formação os ex-Guns Du McKagan e Matt Sorum, o guitarrista Dave Kushner e o cantor Scott Weiland, ex-Stone Temple Pilots. Contraband(2004), o álbum de estreia, foi um sucesso estrondoso, tendo chegado ao primeiro lugar da parada nos Estados Unidos, enquanto faixas como “Slither” e “Fall to Pieces” mostraram que ainda havia espaço para um hard rock honesto em um mundo que continuava se recuperando do impacto do grunge. A banda excursionou extensivamente; também por isso o segundo álbum de estúdio foi lançado apenas em 2007. Quando Libertad chegou ao mercado, a relação dos integrantes com Weiland já estava bastante deteriorada. O cantor acabou saindo no ano seguinte; Slash e companheiros procuraram um novo vocalista, mas não acharam ninguém compatível. Ainda que a banda não tenha oficialmente chegado a um fim, ninguém sabe quando – e se – o hiato irá terminar.

Foi depois dessa segunda decepção que Slash resolveu lançar o primeiro álbum solo de fato, homônimo, em 2010. A realização foi colaborativa: os ex-Guns N’ Roses Izzy Stradlin, Du McKagan e Steven Adler apareceram para dar uma força, enquanto vocalistas do primeiro escalão cantaram como convidados – entre eles Ozzy Osbourne, Iggy Pop, Chris Cornell, Lemmy Kilmister, Fergie, Adam Levine e Kid Rock. A participação do eficiente Myles Kennedy, membro do Alter Bridge, na faixa “Back from Cali” se tornou decisiva. Kennedy, o baixista Todd Kerns e o baterista Brent Fitz acabaram saindo em turnê com o guitarrista para promover o álbum, e a formação se provou tão coesa que acabou efetivada nos dois projetos seguintes promovidos por Slash: Apocalyptic Love (2012) e o recente World on Fire (2014). Agora, Slash fi nalmente achou a estabilidade que não tinha ao lado do volátil Axl. Em entrevistas antigas, o guitarrista chegou a dizer que não tinha o dom para se tornar um bandleader, mas, de um jeito bastante democrático, ele tem se saído surpreendentemente bem ao lado de seus atuais conspiradores.

Fonte: rollingstone.uol.com.br

Slash Belo Horizonte 2015 - Setlist, Fotos e Vídeos

Slash Belo Horizonte - Foto: soubh.com.br por Paulo Almeida

Slash se apresentou neste domingo (15/03) em Belo Horizonte na casa de shows Galopeira. Esta é a segunda apresentação de uma série de seis shows que o guitarrista fará no Brasil.

O músico vem ao país com a banda Myles Kennedy & The Conspirators para divulgar o seu mais recente trabalho “World on Fire”. A turnê ainda passará por Brasília (17/3), Curitiba (19/3), Porto Alegre (20/3) e São Paulo (22/3). Confira o setlist, fotos e vídeos:

domingo, 15 de março de 2015

Slash Rio De Janeiro 2015 - Setlist, Fotos e Vídeos

Slash Rio De Janeiro, Fundição Progresso - Foto: Maria Chrisá/G1

Slash e Miles Kennedy & The Conspirators fez neste sábado (14 de março) o primeiro show da turnê brasileira na Fundição Progresso, Rio De Janeiro. Os shows são para promover o álbum 'World on Fire', lançado em 2014.

O músico ainda tocará em outras cinco cidades: 15/03 – Belo Horizonte, 17/03 – Brasilia, 19/03 – Curitiba, 20/03 – Porto Alegre e 22/03 em São Paulo. Confira abaixo o setlist, fotos e vídeos:

segunda-feira, 9 de março de 2015

Gene Simmons: Appetite For Destruction entre seus álbuns favoritos


Em conversa com TheQuietus.com, Gene Simmons, do Kiss, elegeu seus treze álbuns favoritos; seguem abaixo seus comentários sobre o "Appetite For Destruction" do Guns N' Roses:

"O legal sobre aquele disco é que ele traz uma honestidade que o rock & roll estava perdendo. Os anos oitenta foram terríveis, uma época onde as guitarras não soavam como guitarras e as baterias eram eletrônicas, daí de repente surge esta banda, Guns N' Roses, que plugou suas guitarras e não perdiam tempo, iam direto ao assunto. E as músicas eram perfeitas! 'Welcome To The Jungle' é uma canção perfeita da mesma forma que 'Satisfaction' (Rolling Stones) com aquele riff e as letras marcantes. Grandes letras, visual maneiro, e assim que você ouve aquele tom de voz que remete a Robert Plant... bem, ainda funciona hoje em dia. Já se passaram quase trinta anos, mas se você me apresentasse hoje em dia como se fosse uma banda nova eu perguntaria 'Quem é?'. A intro é quase uma sinfonia, e define o que é a banda. Você ouve a primeira música e o resto do álbum desce redondo".

"'Welcome To The Jungle' está um passo acima do resto do material. As bandas costumam ter algumas poucas canções que as definem, tipo, se você pensar em Thin Lizzy você lembra de 'The Boys Are Back In Town'. Se lembrar dos Stones pensa em 'Satisfaction', Led Zeppelin recorda 'Stairway To Heaven'. Há algumas canções que pela melodia, letra ou sonoridade, são essencialmente o que são. A única banda que não tem isto, pois eles tem muitas e muitas músicas boas, são os Beatles".

Confira a lista completa de Gene com suas explicações (em inglês) AQUI:


Fonte: whiplash.net

Slash na Argentina: assista ao show completo!


Slash se apresentou no Mandarin Park, em Buenos Aires, no último sábado (7/3). A grande surpresa da noite ficou que conta de Duff McKagan e Gilby Clarke, que subiram ao palco no final do show para tocar com Slash.

sábado, 7 de março de 2015

Steven Adler diz que Matt não faria uma reunião com o GN'R sem ele


Em entrevista ao Eddie Trunk, no ‘Eddie Trunk Live’ na rádio por satélite Sirius XM, Steven Adler comentou como se sentiria caso acontecesse uma reunião da formação clássica do Guns N' Roses com Matt Sorum em seu lugar.

"Matt não faria isso. Vejo Matt praticamente todas as segundas-feira à noite e já conversamos sobre isso. Ele não faria uma reunião a menos que eu participasse". E eu disse, "Bem cara, eu faria sem você". Ele falou, "Mas você é o cara original. É o som do GN'R. Eu não. Então, é diferente". E disse: 'Se eu fizesse isso e se o Axl quisesse tocar as músicas dos Illusions, gostaria de tê-lo ao meu lado. Você aparece e assume a bateria. Assim como fizemos na indução do Guns N' Roses no Rock And Roll Hall Of Fame (em 2012). Eles não mostraram essa parte na TV, acho que não, mas Matt tocou 'Brownstone' e então cheguei e toquei 'Sweet Child' e 'Paradise City'."

Adler continuou: "Não tenho nada contra Matt. Ele não fez nada. Eu tinha ressentimentos, mas falei com ele e resolvemos tudo. Adoraria dividir um ônibus de turnê com ele”.

Steven também falou sobre o seu desejo de ver a formação clássica do Guns N' Roses se reunir para fazer um novo álbum e uma turnê. “A coisa toda a respeito da reunião, eu gostaria de fazê-lo apenas porque há duas décadas de novos fãs que nunca viram como era a magia. Eu adoraria ser capaz de mostrá-los, mas para isso Axl tem que chamar.”

E continuou: "Continuo ouvindo que Axl tem problemas com o Slash. Espero que não. Porque já faz muito tempo. O tempo passa. Estamos mais velhos. Temos que seguir em frente. Se ele tem ressentimentos... Espero que não.Isso é tudo. Eu o amo, e amo todos esses caras. Vamos deixar por isso mesmo. [risos] "

Questionado sobre o recentemente tweet de Slash para Axl lhe desejando "Feliz Aniversário", Adler disse: "Eu acho que isso é ótimo. Porque ele não tem nada contra Axl. Ele também ama o Axl. Nós quatro o amamos. E eu sei disso. Porque nós tivemos algo que foi tão mágico e especial, e ninguém pode tirar isso. E não importa o que alguém fez. Dizem que o tempo cura todas as feridas. Vamos seguir em frente. Vamos ser felizes e fazer o que gostamos de fazer. E se nós temos a oportunidade de tocar para o mundo inteiro e todos adoram... Porque esse é o sonho de qualquer músico: tocar a música que todo mundo ama. E fizemos isso. E disse: 'Vamos aproveitar e mostrar ao mundo...'. Quero dizer, pessoalmente, eu quero mostrar a todos o quão agradecido estou por amarem nossa música. Porque eu amo uma vida maravilhosa. Uma vida maravilhosa por causa deles. Eu tenho que fazer o que eu gosto de fazer, e isso é tocar música ".

"Foi um desperdício de 25 anos em que a magia entre Slash e Axl não estão mais juntas e fazendo música para o mundo. Quero dizer, é como Mick Jagger e Keith Richards, Robert Plant e Jimmy Page, Steven Tyler e Joe Perry. É uma vergonha que Axl e Slash não estam fazendo música juntos, porque nasceram para fazer isso. Slash é grande por si mesmo, Axl é grande por si mesmo, mas juntos eles são incríveis, e nada poderia detê-los ".

Steven também falou sobre a última vez que viu e falou com Axl Rose: "Foi em Las Vegas, eu acho, em 2006. O Guns N' Roses estava tocando no Hard Rock, e desci. E então o seu amigo, Del James, me viu na platéia, na parte de trás, e disse: 'É melhor você ir embora. Eu não quero que Axl fique chateado'. Saí, fui para casa, eu estava andando pela porta da frente e meu telefone tocou. Atendi e era o Del James que disse, 'Me desculpe. Axl queria conversar com você'. Então voltei. Bebemos uma garrafa de tequila de 3 mil dólares, nos abraçamos e fizemos as pazes. Foi maravilhoso. Era só eu e ele sentado no bar com uma garrafa de tequila, bebendo e conversando. Foi muito bom. Então eu o amo."



quinta-feira, 5 de março de 2015

Del James: Axl Rose é o cara que você liga se precisa de ajuda


Del James, um amigo próximo do frontman do Guns N' Roses, Axl Rose, que também trabalhou como agente de turnês, disse que Rose é bem diferente da imagem que a mídia gosta de mostrar.

Durante uma aparição em um programa de rádio, James falou de sua relação com Axl. Ele disse: “Estou com Rose desde 1985. Se o cara fosse tão difícil como as pessoas gostam de mostrar, ninguém poderia ter ficado tanto tempo com ele. Não há dinheiro no mundo que compense essa dor de cabeça, e a verdade é que toda vez que meus filhos precisam de algo que eu não tenho como pagar – seja o que for, uma conta médica ou algo assim – ele é o primeiro a dizer: ‘Ei, eu cuido disso. Não se preocupe.’, ele é o cara que você liga se cometeu um erro e precisa de ajuda às quatro horas da manhã. Ele garante que cuidem de você, e faz isso melhor do que qualquer um que eu consiga pensar.”



Fonte: whiplash.net